Transplante de medula óssea: cadastro que pode salvar vida

O transplante pode ser indicado para tratamento de cerca de 80 doenças, incluindo casos de mieloma múltiplo, linfomas e doenças autoimunes. Atualmente, Sergipe possui cinco mil cadastros de voluntários, sendo que a meta até o final do ano é chegar a sete mil cadastros.

Na maioria das vezes, o transplante é a única possibilidade de vida para quem possui algum tipo de doença no sangue, como informa a assistente social da Fundação Parreiras Hortas (FPH), Adineuza Cardoso. “Já fizemos cerca de 54 cadastros aqui. É importante a pessoa estar disponível para a doação, pesquisar antes sobre o assunto porque o transplante é a única alternativa que a pessoa doente tem, pois significa que ela já fez os demais tratamentos e não obteve êxito”, alerta.