Rereme

O REREME, é um sistema criado pelo INCA, que tem como objetivo uma maior agilidade na busca de um doador de medula óssea.

Armazena os dados dos pacientes cadastrados que têm indicação de transplante de medula óssea, segundo portaria 931 de maio de 2006. Compete ao médico assistente, cadastrar o paciente com indicação do transplante, diretamente no sistema e acompanhar a busca do doador compatível que já se encontra cadastrado no REDOME ( Registro de Doadores de Medula Óssea).

Feito o cadastramento, o Centro de Avaliação ( REREME) , fará a aprovação do cadastro para continuidade do processo de busca. As informações sobre os dados do paciente, são cruzadas com as dos doadores que estão inscritos no REDOME. Essa busca deve iniciar quando não for encontrado no âmbito familiar uma pessoa compatível.

Conforme orientações para os médico ( http://www.gatmo.org.br/orientacao_medicos.php)  os passos que devem ser seguidos são:

– A Busca Nacional do Doador não Aparentado, é feita inicialmente a partir da tipagem do HLA do paciente e dos familiares em primeiro grau, ou seja, irmãos e pais.  Não encontrando esse doador aparentado, a equipe médica deve cadastrar o paciente no REREME;
– Realizar a tipagem HLA Classe I baixa resolução e HLA Classe II alta resolução do paciente;

– Inscrever o paciente pelo programa do REREME.NET (o médico de um centro transplantador deverá solicitar uma senha para acessar o programa. Para os pacientes que não realizam tratamento em centros transplantadores, o cadastro no REREME deverá ser feito pelo próprio profissional.  Este deverá informar ao paciente o centro transplantador de referência, que autoriza a inclusão desses pacientes.

– Escolher o centro de transplante de referência.  Avaliar a indicação de TMO e definir a estratégia com o centro transplantador;

– Aguardar o resultado da busca nacional de doadores.  Não recebendo resultado, entrar em contato telefônico com o REREME;

– Quando há um doador compatível no registro nacional, o REREME solicitará a coleta de uma nova amostra de sangue do possível doador para a realização da tipagem confirmatória (CT);

– Os dados dos pacientes e o relatório de evolução deste devem ser atualizados de 3 em 3 meses pelo médico responsável para que a busca permaneça ativa;

– “ A Portaria nº 1315/GM, de 30 de novembro de 2000, que regulamenta a captação de dodores voluntários de células tronco hematopoiéticas, preconiza “no mínimo” que haja compatibilidade HLA Classe I, locus A e B em baixa resolução e Classe II locus DRB1 e DQB1 por alta resolução. No entanto, os melhores resultados tem sido obtidos com compatibilidade em HLA Classe I, locus A, B e C, Classe II locus DRB1 e DQB1, por alta resolução, ou seja, são analisados 5 pares de genes alelos e a compatibilidade precisa ser 10/10, resolução com 4 dígitos).”

A Busca Internacional, é feita mediante solicitação do médico, quando não são encontrados doadores compatíveis no BRASIL. Uma  busca internacional pode ser fetia pelo médica, pois existem vários sites que disponibilizam esse procedimento, para saber de forma mais rápida se haverá dificuldade em encontrar, ou não um doador.

 

SISTEMA DE CADASTRO DE RECEPTORES DE MEDULA ÓSSEA

E-mail: rereme@inca.gov.br.

TELEFONES: 21 3207.5234 ou +21 2505.5657