Como dobrar o número de doadores de medula, escreve Hamilton Carvalho

Quem nunca se comoveu com casos de crianças com leucemia, dependendo de um transplante de medula óssea para ter chances de sobreviver? Geralmente esses casos dependem de doadores de fora da família, cuja chance de compatibilidade genética é naturalmente menor.

No Brasil, o cadastro de doadores de medula alcança quase 5 milhões de pessoas. Seu crescimento nos últimos anos foi expressivo –há dez anos, havia menos de 1 milhão de cadastrados. Ainda assim, a comparação com o número de cadastrados nos EUA, já considerando a população de cada país, mostra que poderíamos ter pelo menos o dobro de gente no banco de doadores.

Centro de Transplante de Medula Óssea do Inca (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva), no Rio de Janeiro.

Estranhamente, o governo brasileiro limita o aumento no número de doadores potenciais, estabelecendo um teto máximo anual de novos doadores por Estado. Vamos ignorar essa questão por ora e admitir que quanto mais doadores, melhor.

Assim, é interessante entender por que os EUA conseguem ter muito mais doadores, em termos proporcionais, do que o Brasil. A diferença pode ser entendida com a ajuda de um modelo teórico recentemente desenvolvido pelos pesquisadores Joel Cohen, da Universidade da Florida, e Eduardo Andrade, da FGV-RJ (Fundação Getúlio Vargas do Rio).

Trata-se do modelo ADF, cujas iniciais, em inglês, se referem aos fatores-chave que explicam a adesão a comportamentos de interesse social: acessibilitydesirability feasibility.

Vamos usar o caso da doação de medula para ilustrar os conceitos do modelo. O leitor pode facilmente extrapolar as mesmas ideias para qualquer questão de interesse social, como vacinação, trânsito seguro ou relação entre Fisco e contribuintes.

O modelo começa com A, de acessibility. A mente humana não é um latifúndio, mas um quarto e sala onde cabem poucos pensamentos e preocupações. Assim, é preciso, em primeiro lugar, que o comportamento que se quer promover seja memorável. A promoção da doação de órgãos em novelas ou por meio de campanhas ajuda, ainda que seja insuficiente.

Em segundo lugar, o estímulo geralmente precisa estar presente no ambiente para que a doação entre de fato no radar das pessoas. Isso acontece, por exemplo, quando a captação ocorre em lugares não tradicionais, como no trabalho ou nos bairros. Em outras palavras, quem é visto é lembrado.

Outro caminho interessante é estimular o comportamento no momento ou local em que ele possa ocorrer. Nunca entendi por que não se captam doadores de medula entre aqueles que vão doar sangue.

O modelo segue com D, de desirability. Aqui tratamos das consequências percebidas do comportamento, isto é, seus benefícios e riscos, tanto de curto quanto de longo prazo. O maior erro é apostar todas as fichas nas consequências de longo prazo, que são naturalmente pouco valorizadas pela maioria das pessoas (pense na típica campanha antitabagista do passado, enfatizando riscos à saúde).

Há algumas maneiras de escapar dessa armadilha, como a ênfase em riscos ou benefícios de curto prazo. Autoimagem positiva, orgulho, sensação de pertencimento ou vergonha pela não-participação são pontos de apoio importantes.

É comum ainda o uso de elementos que permitam a visualização de aspectos intangíveis. Camisetas sinalizam identidade ao mundo exterior e atraem aprovação social. “Contratos” de comprometimento geram um impulso inicial em direção ao comportamento desejado.

A doação também se torna mais desejável quando há beneficiários identificáveis. Na aritmética da compaixão, laços pessoais entram com sinal positivo e estatísticas, com sinal negativo.

Finalmente, F de feasibility. Das três, é a alavanca de mudança de comportamento mais poderosa, uma vez que as demais tenham atingido níveis adequados. Porém, é a menos utilizada no Brasil. Quer estimular determinado comportamento? Torne-o ridiculamente simples. Reduza ou elimine as barreiras, inclusive os custos não monetários.

No caso de doação de medula, a maioria das pessoas possui forte desconhecimento sobre o procedimento, que é seguro. Isso tipicamente dá margem a medo e ansiedade, que são custos psicológicos.

Outro exemplo vem do processo de cadastramento de doadores. Nos EUA o cadastro é muito simples e envolve a solicitação, pela Internet, de um kit com um bastonete de algodão, que se passa na parte interna da bochecha. Esse kit já chega com um envelope de retorno já pago.

No Brasil, por outro lado, é preciso se deslocar até um ponto físico de coleta, para realizar uma coleta de amostra de sangue. Na cidade de São Paulo, por exemplo, apenas dois locais realizam esse cadastro.

Se quiser aumentar o bem-estar de sua população em áreas como essa, o Brasil precisa começar a aplicar ciência comportamental para valer. Enquanto isso, alguém do Ministério da Saúde poderia explicar esse limite no cadastro de doadores de medula?

Hamilton Carvalho – Hamilton Carvalho, 46 anos, estuda comportamento humano e sistemas sociais complexos. É doutor em Administração pela FEA-USP, mestre em Administração pela mesma instituição, membro da System Dynamics Society e da Behavioral Science & Policy Association.

 

Fonte: poder360