Caso de gêmeos com leucemia comove doadores de medula óssea; um dos irmãos morreu

Mais de 3 mil cadastros de doadores de medula óssea foram feitos em Araçatuba (SP) neste ano. Segundo o hemocentro, grande parte destes doadores se comoveu com a história dos gêmeos que foram diagnosticados com leucemia.

Um dos irmãos morreu com a doença e a família corre contra o tempo para encontrar um doador para salvar o outro garoto, com 2 anos. Até uma campanha nas redes sociais a família está mobilizando para incentivar a doação de medula.

“A maioria que vem se cadastrar é por causa dos irmãos porque a história comove, chama a atenção”, afirma Aline Durante, responsável pelo setor de captação do hemocentro de Araçatuba.

Número de cadastros de possíveis doadores de medula aumentou em Araçatuba (SP) — Foto: Reprodução/TV TEM

De acordo com Aline, apenas no primeiro semestre deste ano, foram feitos 1.704 cadastros, o que representa a média de 284 cadastros por mês. De julho até 26 de outubro, foram contabilizados 1.394 cadastros de doadores de medula óssea na cidade, com média mensal de 348 doações.

“Esse ano foi feito muito cadastro por conta do irmão que veio a falecer. Teve uma grande procura”, explica.

A média de doações varia de 5 a 15 por dia e o número limite diário de cadastros em Araçatuba é de 40. “Fazemos isso para que os demais atendimentos como doação de sangue e transfusão não sejam prejudicados. Se liberarmos mais de 40 cadastros por dia pode atrapalhar nosso fluxo, mas se isso acontecer podemos agendar a data do cadastro.”

Luta contra a leucemia

A família Souza, de Araçatuba (SP), está fazendo uma “corrente do bem”, e contra o tempo, para encontrar um doador de medula óssea compatível com o pequeno Fernando, de apenas 2 anos e 10 meses. O garoto foi diagnosticado com leucemia.

A luta da família já dura mais de um ano, quando Matheus, irmão gêmeo de Fernando, também teve leucemia. Há três meses o menino, que chegou a fazer sessões de quimioterapia, não resistiu e morreu.

Matheus, irmão do Fernando, morreu com leucemia — Foto: TV TEM/Reprodução

Logo depois da notícia, familiares e amigos iniciaram uma campanha nas redes sociais e a história dos gêmeos sensibilizou muita gente. Enquanto os cadastros de doadores de medula são feitos com a ajuda da campanha, o menino está com os pais em Jaú (SP), onde faz o tratamento.

A iniciativa pode salvar a vida do garoto e também de muitos outros pacientes com a doença. É o caso da enfermeira Camila Donato, de Mirandópolis (SP).

Ela contou que descobriu a doença após ficar gripada e fazer um hemograma. “Procurei um hematologista e fiz vários exames, foi onde descobrimos a leucemia. Já fiz um ciclo de quimioterapia e vou precisar de um doador de medula óssea. Infelizmente, a medula da minha irmã não é totalmente compatível com a minha e estamos à procura de uma 100%”, lamentou.

Em setembro, enquanto estava internada no hospital para se recuperar da doença, Camila foi surpreendida por um jantar romântico para comemorar o noivado surpresa.

 

Casal Camila e Wagner foi surpreendido por jantar romântico em hospital de Araçatuba (SP) — Foto: Divulgação

Fonte: g1.com.br